11 4727-4949
Acompanhe-nos nas redes sociais:
11 4727-4949
Como chegar

Linha Citroën 2018

Consórcio
Conheça as condições
Acessórios
Faça o seu pedido
Oficina Citroën
Faça o seu
agendamento
Seminovos
Veja as opções

Notícias

05/09/2018
Avaliação: Citröen C4 Lounge 2019 um boa escolha
Otávio Koenig Beppler, Especial para o BlogAuto – Conheço a linha de sedãs médios da PSA há algum tempo, e eu tinha algumas expectativas de melhoria nesta nova plataforma. Expectativas estas que foram em grande parte atendidas com o facelift do Citroën C4 Lounge 2019. Logo ao entrar no C4 Lounge 2019, percebo que a identidade é a mesma, com um grande espaço interno, muito superior aos concorrentes diretos (Civic, Corolla, Cruze, Jetta e Sentra). Sobra espaço para as pernas e cabeças de todos os ocupantes, mesmo que todos tenham 1,90 m de altura!   O botão de partida ao lado esquerdo do volante, sem espaço de inserção da chave, é o primeiro detalhe que chama a atenção, seguido pelo painel digital e pela ampla tela que ocupa o centro do painel, onde estão os comandos de quase tudo no carro: rádio, multimídia, navegação, climatização, ajustes gerais do carro, integração com celular, etc. Não gostei apenas do display de RPM (tacômetro para os técnicos), que se apresenta na forma de uma fina barra horizontal de difícil acompanhamento – um bom e velho “conta-giros” de ponteiro, mesmo que digital, seria muito melhor. O volante não tem mais aquele charme do miolo fixo, tradicional dos Citroën até bem pouco tempo atrás, o que nivela o C4 Lounge aos demais carros do mercado. Ele também não traz os famosos paddle-shifts (borboletas de mudança de marcha), o que considero positivo para reduzir custos – afinal tenho há anos carros com paddle-shifts e praticamente nunca uso no dia-a-dia. Eles valem a pena em carros esportivos, o que não é a proposta do C4 – pelo contrário. Este carro quer servir o conforto e o dia a dia, e para isso considero-o justo.   Andando, o motor turbo de 1.6 litro, em conjunto com o novo câmbio de seis marchas Aisin, se mostraram muito eficazes: bom torque e todas as faixas de rotação, como se fosse um motor 2.0 litros aspirado, mas com maior economia, além de mudanças de marcha muito bem definidas e certeiras – sem a tradicional indecisão e trancos tão comuns do câmbio anterior. Essa sim foi uma enorme mudança, que transformou esse carro. Muuuuuuito melhor, muito mesmo. Esse era o único defeito grave que o C4 (e seus primos e irmãos) tinham. Os faróis direcionais são um diferencial, juntamente com a iluminação por leds, colocando o C4 em um patamar atual, e superior aos concorrentes neste quesito. Falando sobre preço, na faixa dos 95 mil reais, ele está alinhado aos concorrentes. Não considero esse valor razoável hoje em dia se considerarmos o poder de compra dos consumidores potenciais, mas esse é um problema sistêmico e endêmico no Brasil – todos os carros, de todas as categorias, estão custando muito mais do que os consumidores tem condições de pagar, simplesmente porque o Brasil continua em uma crise sem precedentes, e porque não fabrica quase nada de alta tecnologia. Praticamente todos os componentes e peças de valor agregado, como chips, placas, softwares, entre outros, são fabricados por multinacionais não brasileiras, e em fábricas fora do Brasil. Infelizmente. Apenas exportamos as pelotas de ferro que são industrializadas no exterior e importadas a valores incrivelmente altos. De modo geral, considero Citroën C4 Lounge 2019 um carro honesto frente ao mercado, que cumpre com o que se propõe, competitivo junto aos concorrentes, e com grandes chances de começar a reverter a antiga fama de marca de carros caros e frágeis. Ele tem tecnologia, postura, equipamentos e custo-benefício que vão ajudar a PSA a reposicionar a marca no Brasil, aumentando inclusive sua participação no mercado. Fonte: Blog Auto
Ler mais
30/08/2018
Citroën C4 Cactus espeta concorrentes
Se o mercado de SUVs continua a crescer bastante no Brasil, há razões para apostar em avanços ainda maiores. Entre os de produção nacional o Citroën C4 Cactus, que começa a ser vendido esta semana, demonstra que novas tecnologias também ganham relevância nesse tipo de veículo. O modelo, de forma clara, demonstra dupla personalidade. Na Europa tem o mesmo nome, mas lá se apresenta como um hatch sucessor do C4. Aqui, o visual muda e não se restringe às barras de teto com um criativo desenho “flutuante”. Vão livre do solo de nada menos 22,5 cm, além de ângulos de ataque (22 graus) e de saída (32 graus), permitem enfrentar traiçoeiras lombadas, valetas e buracos que infestam cidades e até estradas por todo o País. Seu estilo moderno, mais típico de um crossover, agrada por proporções compactas – apenas 4,17 m de comprimento – que, no entanto, limitam o volume do porta-malas a 320 litros. Por outro lado, 2,60 m de entre-eixos e 1,71 m de largura garantem habitáculo confortável, incluindo bancos dianteiros bem dimensionados e amplo espaço para joelhos atrás. Forro do teto tem leve concavidade dupla (na frente e atrás). Assim, nenhum ocupante raspa a cabeça, embora falte opção de teto solar. A marca francesa montou um bom pacote de opções de segurança nas versões mais caras: alertas de atenção ao condutor, de saída de faixa, de colisão (detecta veículos e pedestres) e de frenagem automática, além de seis airbags. O interior tem detalhes de acabamento interessantes. Mescla materiais agradáveis ao toque, apliques de tecido e plástico preto brilhante. Quadro de instrumentos é digital (idêntico ao do C4 Lounge). Até o volante de base achatada e parte superior levemente reta denota cuidados do projeto. Falta queda amortecida da tampa do porta-luvas. Dois motores estão disponíveis: 1.6 16V aspirado, de 118 cv (câmbio automático, seis marchas) e 122 cv (manual); 1.6 turbo de 173 cv/etanol (apenas automático). Este último, o mais potente do segmento, muda por completo o temperamento do carro, inclusive por fazê-lo acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 7,3 s, acompanhado por um som grave, algo exagerado com o motor em carga. Um dos pontos altos é o acerto de suspensões, o melhor entre quase uma dezena de concorrentes diretos. Direção precisa e freios a disco nas quatro rodas, outros destaques. Desempenha bem no uso em caminhos sem pavimentação que dispensem sistema 4×4, ajudado pelo controle de tração mais apurado (Grip Control) herdado do Peugeot 2008.   Preços são bastante competitivos: vão de R$ 68.990 a 98.990, em três níveis de acabamento. A marca decidiu valorizar seus modelos usados na troca pelo C4 Cactus e investir em assistência técnica desde carro-reserva para consertos acima de quatro dias ou mimos simples como checar pneus, fazer rodízio e completar níveis de água e óleo sem cobrar. Para Ana Theresa Borsari, diretora geral do Grupo PSA, a rede de concessionárias Citroën será pró-ativa na venda de revisões a preço fixo até mesmo fora do período de garantia. “O serviço pré-pago tem crescido muito na Europa e pode se expandir também aqui. É o conhecido ‘tudo-incluído’, conceito surgido na hospedagem”, completa.   Fonte: DEZEROACEM
Ler mais
Veja toda as notícias

Empresas do Grupo

Citroën
Mogi das Cruzes
Rua Ipiranga, 1220
Citroën
São Paulo
Avenida São Miguel Paulista, 8479